Corrida de aventura

Corrida de aventura

postado em: Aventuras, Brasil, Esportes | 2

A Corrida de Aventura

A Corrida de aventura é um tipo de competição que envolve diversos esportes Praticado, normalmente, em local que permita muito contato com a natureza, possibilitando momentos de descontração, superação e ao mesmo tempo contemplação de belezas naturais. Devido a variedade de esportes e a característica de auto-suficiência é um esporte que demanda uma complexa logística. Um esporte que tem na fase de planejamento o momento mais importante.

Geralmente as provas são compostas por uma parte de bike, outra a pé, uma prova aquática e uma de técnicas verticais; tudo isso aliado a necessidade de se orientar através de mapas e bússola. Algumas provas podem contar com atividades diferentes como cavalgada, paraquedismo, vela, mas é menos comum.

Dessa grande diversidade de atividades há uma demanda de diferentes materiais muito específicos. No regulamento das provas, normalmente, é previsto, além dos equipamentos técnicos, itens obrigatórios visando a segurança e uma eventual necessidade de primeiros socorros. Esses itens variam desde manta de emergência a medicamentos.

Não existe formato obrigatório, porém a maior parte das competições possui três categorias: quarteto, dupla e solo. Algumas ainda às subdividem em mista, masculino e feminino.

pedal arvore vermelhaQuem pode participar de uma corrida de aventura

Para começar

  • Saúde em dia
  • Desejo de novos desafios
  • Busca do contato com a natureza
  • Bicicleta e itens de segurança

Se eu dissesse que qualquer um pode participar de uma corrida de aventura estaria mentindo, porém não precisa ser nenhum super-herói para praticar esse esporte maravilhoso. É primordial um mínimo de preparo físico, estar em dia com a saúde, ter vontade de superar novos desafios e ser desprovido de frescuras tipo “vou sujar meu tênis na lama”. Um conhecimento prévio de mountain bike também é interessante para evitar quedas; Alguém da equipe precisa estar apto para realizar a navegação, afinal manusear bem as cartas topográficas e a bússola é o que define andar pelo caminho certo e cobrir a distância prevista para a prova ou se perder, andar mais e por muito mais tempo.

Onde encontrar

É notável a crescente preocupação com a saúde e a busca de atividades físicas pelos brasileiros. A corrida de aventura acompanha essa crescente busca angariando alguns adeptos. Nas categorias Pro podemos observar, cada vez mais, brasileiros correndo nos circuitos mundiais. O endereço eletrônico nacional que melhor alimenta esse publico é o adventuremag. Lá é possível encontrar dicas para iniciantes, um abrangente calendário de corridas em todo mundo e interessantes artigos de interesse do público de atividades outdoor.

A história de uma primeira vez

A Associação de Corrida de Aventuras do Estado do Rio de Janeiro (ACAERJ) Aldeia Velhaorganizou em Aldeia Velha-RJ, no último fim de semana de novembro de 2014 a 1ª Etapa de 2014/2015 do Campeonato Estadual de Corrida de Aventura. Organizada em duas categorias: categoria Pro constituída de um percurso de 50km e categoria Light com 25km de extensão. Com as modalidades de Orientação, Trekking, Mountain Bike, Rapel e Canoinismo. O planejamento inicial era realizar a opção pro, na categoria dupla com minha namorada. Por já possuir certa experiência nesse esporte e ter orientado o treinamento dela julguei que conseguiríamos realizar a prova sem problemas. Porém, devido alguns imprevistos fui impossibilitado de correr e precisamos fazer alguns ajustes de última hora. De dupla na categoria Pro ela passou para solo na categoria light. O grande problema seria a navegação. Ficou combinado que para resolver isso ela correria orientada por um amigo nosso.

Logística

Após o susto inicial da mudança repentina de categoria e da minha ausência na prova, dialogamos decidindo que essa seria uma oportunidade maravilhosa dela se auto-conhecer e debutar nesse maravilhoso esporte, assim começamos a preparar a logística da prova dela que consistia, basicamente de preparar os materiais obrigatórios e a alimentação. Começamos organizando o material em uma pequena mochila de 13 litros. Os itens obrigatórios exigiam um pequeno kit de primeiros socorros, bússola, apito, lanterna e manta de emergência. Na mochila também havia uma jaqueta impermeável e na bike ferramentas para possíveis reparos. Para alimentação compramos: saquinhos de sacolé e enchemos de castanhas do pará e de caju, goji berry, macadâmia e amêndoa, gel repositor com proporção de 4:1 (carboidrato:proteína), amendoim, água e isotônico. O plano era de 15 em 15 minutos se hidratar, intercalando água e isotônico e de 45 em 45 minutos comer algo.

A Prova

Nada mais sincero e emocionante do que as impressões da Bia sobre a prova:

No início da prova eu estava bastante entusiasmada e ansiosa por ser uma competição completamente diferente de tudo que eu já havia feito na vida. A prova começou com o trekking. A emoção e a dependência da orientação de um amigo, me fez sair em disparada nos primeiros minutos. Resultado: em menos de 5 minutos de prova tive vontade de desistir. Mal tinha começado e eu já estava cansada, com dor de cabeça e esbaforida! “Não vou aguentar. Será que devo desistir?” era o que eu pensava na hora.

500x500 trekkingAinda bem que durou poucos segundos. Respirei fundo, diminuí o ritmo, tirei o capacete e a faixa da cabeça que estavam me sufocando, bebi um pouco de água. Pronto. Em mais 10 minutos eu já estava recuperada e voltando ao ritmo de prova. Fui me adaptando à prova, peguei mais leve nas subidas mais pesadas e sempre que o terreno era plano ou tinha uma descidinha eu apertava o ritmo e corria. Assim, acabei me afastando do meu amigo que estava me ajudando. Fui um pouco na frente e ficamos de nos encontrar quando chegássemos no rapel (PC2), mas não foi tão simples como a gente esperava.

Logo após marcarmos a chegada no PC1 segui o caminho que estava marcado por fitas zebradas. Desci por um terreno sem trilha avistando mais duas ou três faixas zebradas e depois acabei me perdendo junto com outros participantes. Chegamos a ser um grupo bem grande de perdidos, mas ao final restamos apenas eu, um casal que corria em dupla e dois amigos que também estavam inscritos na dupla. O que me surpreendeu, e que eu jamais imaginaria, foi que fiquei bem tranqüila nesses momentos de perrengue no meio da mata fechada. Acho que o fato de as pessoas estarem tão dispostas a se ajudarem e a certeza de que havia uma grande preocupação com a segurança por parte dos organizadores contribuíram para isso.

Depois de algumas horas perdida tentando encontrar o caminho do rapel optamos por seguir por dentro do rio. Não dava mais para

corrida de aventura
Rapel

seguir na mata fechada, sem saber ao certo para onde ir, cheia de espinhos e aranhas. Mas por dentro do rio também não foi assim tão fácil. Acabamos antecipando a modalidade do canionismo. Algumas caneladas nas pedras do rio, escorregões e caminhada lenta nos renderam ainda mais tempo, mas foi uma boa estratégia. Encontramos o rapel!!! 😀

Além da felicidade de encontrar o rapel eu tive duas ótimas surpresas o Anderson, meu amigo do começo da prova, estava lá e vi meu namorado que estava fotografando a prova e torcendo por mim. Isso deu uma revigorada na minha energia! O rapel em si foi só alegria, uma queda gostosa de cachoeira e a tranqüilidade de saber que teria nova ajuda na orientação.

aguaChegamos ao ponto de transição para o pedal. Peguei a bike, tomei um energético e partimos para a pedalada. Confesso que eu e a bike ainda estamos nos familiarizando. Comecei a pedalar há mais ou menos um mês, antes disso as minhas pedaladas se resumiam a poucas voltas em terreno plano. Nos treinos pude perceber que a minha dificuldade principal seria com o domínio da magrela, principalmente nas descidas. Na prova não foi diferente.

Seguimos por caminhos de terra o tempo todo. Tivemos que transpor rios e pular cercas com a bike. pulando a cercaFiz coisas que nunca imaginara. Nos momentos em que entramos em pastos, e era preciso guiar a bike por pequenas canaletas, comecei a levar umas lambadas. Mas entre pequenas quedas e um grande tombo numa descida de trilha, me restaram apenas alguns roxos. Garanto que terminei a prova com muito mais noção de como pedalar do que quando comecei.

Em determinado momento chegamos ao ponto aonde deveria ser feito o canionismo. Deixei a bike e segui rio a dentro em busca do ponto de controle. Foram alguns km por dentro do rio cheio de pedras escorregadias. A essa hora, já mais cansada que antes do rapel, confesso que não achei muito agradável. Muitos tombos, um pouco de dor na coluna começou a aparecer… Mas estava tão feliz de estar participando dessa aventura que me restou o desejo de superar logo aquela etapa.

corrida de aventura
Canoinismo

 Terminado o canionismo mais uma vez encontrei o namorado fotógrafo. Deu até tempo dele implicar comigo. Hehehehe Era a energia que me faltava! Peguei a bike e segui por mais alguns pontos de controle até o final da prova.

Uma coisa que me chamou atenção nessa minha primeira experiência na corrida de aventura foi a cordialidade das pessoas. Todas foram muito legais, principalmente nos momentos de perrengue. Tive a oportunidade de encontrar pessoas, trocar ideias, conversar e conhecer o esporte. Além disso, apreciar uma paisagem espetacular e praticar atividade física que é algo que eu amo. O toque final? Fui a primeira colocada da minha categoria. Poucas são as pessoas que se aventuram a praticar uma corrida assim, principalmente mulheres na categoria solo, éramos três na categoria. Foi uma experiência incrível! E eu mais que recomendo! Basta ter um bom preparo físico e amar a natureza. Ah! E para a próxima não vou me furtar a ter umas boas aulas de navegação.

corrida de aventura
Prêmiação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Resumindo

  • A Corrida de Aventura é um tipo de competição de diversos esportes;
  • Mountain Bike, Trekking e Orientação são as modalidades que sempre estão presentes;
  • É comum encontrar, pelo menos, uma prova aquática e uma prova de técnicas verticais;
  • Não existe formato obrigatório, podendo as equipes serem com pessoas de diferentes idades e sexo;
  • Vida Saudável, novos desafios e preciosas amizades são características desse meio;
  • Adventuremag é, atualmente, o maior veículo nacional do esporte;
  • Não tem como se arrepender de competir corrida de aventura.

2 Respostas

  1. FlavioO
    | Responder

    Olá amigo, tudo bom? Muito bacana a matéria. Pena vc não ter corrido. A prova tava show!
    Eu sou o responsável pela comunicação da ACAERJ. Nesta prova eu corri, mas na próxima organizo. Chega de moleza. Por acado eu estou na foto da capa do blog. A que tem um monte de gente correndo. Você pode me enviar por favor a foto original em alta qualidade (tamanho real)? =) Super curti. Meu e-mail é flavio.aguiar@grupoccaa.com.br e facebook facebook.com.br/flavioaguiarcaetano valeu! Abraço e parabéns pelo trabalho. Muito bacana!

    • Edinho Ramon
      | Responder

      Olá Flavio! Que bom que você gostou da matéria. De fato estava show. Fiquei morrendo de vontade do lado de fora fotografando a galera. Mais perto do fim até peguei minha bike e pensei em fazer o trecho da bike com a Bia, mas achei que seria anti-ético interferir na navegação dela e apenas acompanhei à distância.
      Pode esperar que em breve essa foto ta chegando pra você.
      Abraços!!!

Deixe uma resposta